Rodadas de Negócios na Copa das Confederações devem gerar US$ 4 milhões para os móveis brasileiros


Projeto Brazilian Furniture e Apex-Brasil, com o apoio do Sindicato das Indústrias do Mobiliário do Estado do Ceará, utilizam evento para a promoção do móvel brasileiro no exterior

 

De 19 a 23 de junho, antes de a bola rolar nos gramados da Arena Castelão, em Fortaleza, a Copa das Confederações da FIFA foi o pano de fundo para a promoção das exportações dos móveis fabricados no Brasil.


Oito empresas (Artefama, Bertolini, BRV, Camas Fênix, Carraro, Lopas, Osterno e Rudnick) e 16 convidados internacionais vindos do México, Chile, Peru, Panamá, Angola, Moçambique e África do Sul participaram dessa iniciativa organizada pelo Projeto Brazilian Furniture e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) com o objetivo de estimular a realização de negócios, bem como estreitar o relacionamento entre empresários nacionais do setor e potenciais compradores estrangeiros.


“Convidamos os principais distribuidores, importadores e representantes dos homecenters de sete importantes mercados-alvo. As exportações brasileiras ainda não atingiram a casa de US$ 1 bilhão, o que sinaliza um grande potencial para o crescimento de nossa participação nesse mercado, que movimenta anualmente cerca de US$ 200 bilhões”, avalia João Araújo Pinto Neto, gerente do Projeto Brazilian Furniture.


Para ele, um evento esportivo do porte da Copa das Confederações da FIFA gera uma oportunidade especial para a apresentação, em um clima descontraído e favorável às negociações, o valor agregado e os diferenciais de design e sofisticação presentes nos móveis fabricados no Brasil.


Os convidados e empresários foram recepcionados no Hospitality Center, um espaço exclusivo colocado à disposição pela Apex-Brasil na Arena Castelão e especialmente decorado com mobiliário brasileiro. A programação contemplou também a realização de rodadas de negócios na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e visitas aos showrooms das companhias participantes da ação.


Seis empresas fecharam acordos no valor de US$ 390 mil durante o evento e outras 23 negociações terão continuidade, projetando um volume de vendas da ordem de US$ 4 milhões para os próximos 12 meses.


Geraldo Bastos Osterno Júnior, presidente do Sindicato das Indústrias do Mobiliário do Estado do Ceará (Sindmóveis), aposta na importância do Brazilian Furniture como instrumento de apoio à internacionalização das companhias do setor e também em uma crescente adesão de fabricantes cearenses de móveis no Projeto. “Ele tem oferecido a possibilidade de inserção das empresas em melhores condições no mercado mundial. Para se ter uma ideia, no último ano as exportações das empresas moveleiras brasileiras para o México caíram 20%, enquanto os participantes do programa conseguiram aumentar em 51% as suas vendas para o mesmo país. Estes números comprovam o acerto da política de exportação que vem sendo adotada pelo projeto”, destaca.


Somente no primeiro trimestre de 2013, as exportações das empresas integrantes do Brazilian Furniture atingiram US$ 16,08 milhões para nove países alvo (África do Sul, Angola, Chile, Colômbia, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, México, Peru e Rússia).